Newsletters

Email:

Categoria:

Assinar Remover

Notícias
PDF
Imprimir
E-mail

06/02/2012
Acordo interestadual e investimentos garantem ganhos no Nordeste

A região Nordeste é onde os sindicatos conquistaram os maiores aumentos reais em 2011 nas negociações para quem tem data-base entre setembro e dezembro. A média de ganho nas 40 convenções coletivas analisadas pelo Valor foi de 1,82% - enquanto a brasileira ficou em 1,53%. Os investimentos na região têm puxado o seu crescimento, que supera o nacional.

No Piauí, Estado que se destacou com a maior média de ganho real no período (2,92%), um sindicato de trabalhadores na construção civil pesada (Sintepav-PI) fez acordo com similares do Ceará e de Pernambuco para pressionar o setor patronal e alcançar a meta de 11% nominal.

"A obra da ferrovia Transnordestina [que vai interligar os portos de Suape, em Pernambuco, e Pecém, no Ceará] foi fundamental para garantirmos esse aumento. Ameaçamos fazer uma paralisação nos três Estados e assim conseguimos negociar uma proposta maior que 6% nominais oferecidos inicialmente", explica Régis Freire, presidente do Sintepav-PI.
Segundo o sindicato, 1,5 mil trabalhadores estão empregados nessa obra no Piauí e o número deve subir para 5 mil ainda neste ano. Somados os três estados, são mais de 11 mil pessoas envolvidas na obra.

O Sintepav-PI existe há dois anos. Em sua primeira negociação, foi conquistado um aumento de 8%, o que representou 1,81% de ganho real em 2010. Esse é um índice alto, mas comum ao Nordeste.

"O Produto Interno Bruto (PIB) nordestino cresce acima da média, como resultado dos investimentos públicos e privados na região, mas também do efeito gerado pelo aumento do salário mínimo e de programas sociais como o Bolsa Família, que estimulam a economia local e refletem nas negociações", diz José Silvestre, coordenador de relações sindicais do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese).

Reajustes acima da inflação
Atrás do Piauí nesse levantamento aparece Pernambuco, com média de ganho real de 2,65%. O estado apresentou, não somente nos últimos quatro meses, mas também ao longo de 2011, reajustes que sempre estiveram bem acima da média nacional. Em 2010, enquanto que o Brasil cresceu 7,5%, Pernambuco avançou 9,3%.

As projeções de crescimento para o país no ano passado estão em torno de 3%, mas para o Estado nordestino superam 5%. "Essa dinâmica econômica favorável tem influenciado as negociações, além de resgatar a autoestima dos trabalhadores, que reivindicam mais com menos medo de perder o emprego", afirma Jackeline Natal, supervisora regional do Dieese-PE.

Aumento do mínimo
Embora os ganhos reais sejam expressivos, é o aumento do mínimo o que mais impulsiona o avanço salarial no Estado, diz Jackeline. "O salário na região ainda é baixo. Os pisos estão muito colados no mínimo, o que tem efeito de irradiação para os demais patamares."

Ela também aponta que houve, nos últimos quatro anos, uma mudança de posição do governo estadual, que passou a atuar de maneira mais agressiva na atração de empresas para Pernambuco. "Desde o início das obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), há um grande fluxo de investimentos no estado, como no porto de Suape", diz. A grande quantidade de obras fortalece os trabalhadores da construção civil, o que ajuda nas negociações, como no caso do Sintepav-PI.

O Sudeste é o segundo colocado nesse ranking. Em levantamento feito pelo Valor que contemplou os meses de junho a setembro, a região aparecia em último lugar, com média de ganho real de 0,55%. Entre setembro e dezembro de 2011, esse índice quase triplicou, chegando a 1,61%. "O Sudeste conta com o peso da indústria, além de concentrar vários sindicatos mais fortes com data-base nos últimos meses do ano", explica Silvestre.

Para boa parte da região, nem é o reajuste de 14,13% do salário mínimo que chega a pautar as negociações, mas sim o piso regional. São Paulo e Rio de Janeiro adotam um mínimo individual, acima do piso nacional. Em 2012, os paulistas já anunciaram que o seu piso será de R$ 690 a partir de 1º de março.

O reajuste no ano foi de 15% e representa a injeção de pelo menos R$ 7,7 bilhões na economia do Estado nos próximos 11 meses, já que o reajuste em 2012 deve valer a partir de fevereiro. No Rio, ainda não há uma decisão sobre o reajuste do piso, que atualmente está em R$ 639,26. (Fonte: Valor Econômico)







Mais Informações

2ª via da carteirinha

Solicitação de 2ª via da carteirinha de sindicalizado. É necessário levar 1 foto 3x4 recente na sede do Sindicato.

Formulário de Solicitação clique aqui!

Horário de Atendimento

Segunda a sexta-feira, das 9h às12h e das 14h às 18h.

Informações via email clique aqui!

Atualização de Dados

Para que você possa estar sempre informado e receber nossas notícias é necessário atualizar online os seus dados cadastrais sempre que houver alguma mudança.

Clique aqui para atualizar seus Dados!

Número de Visitantes

Prezado visitantes agradecemos seu acesso em nossa página! Seja bem-vindo(a) sempre que necessário.



Usuários online 1043333 Total de Visitas