Newsletters

Email:

Categoria:

Assinar Remover

Notícias
PDF
Imprimir
E-mail

08/11/2009
FHC no Congresso do PCdoB, em São Paulo: intelectual morre pela boca

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso foi muito citado no ato político do 12º Congresso do PCdoB, na última sexta-feira (6). Seu artigo do último domingo recebeu contundentes respostas de Renato Rabelo, Dilma Rousseff, Luiz Inácio Lula da Silva e outros.

Nestes comentários de um delegado ao Congresso, fica em aberto: FHC cumpriu uma tarefa, de marcar posição, numa hora difícil para a oposição? Ou caiu na tentação de tantos intelectuais, que, como os peixes, morrem pela boca?

Renato, que presidiu o ato na qualidade de presidente do PCdoB, referiu-se ao ex-presidente pelo nome. E usou o artigo Para onde vamos? Como exemplo da "tenaz resistência" das forças reacionárias e conservadoras.

"A oposição de direita se expressa através do poderoso monopólio midiático, em seu genético viés golpista e revanchista. FHC, desesperado, procura dar ares de teórico, para convencer de quem? Cai na vala comum de uma sociologia de araque. Lula serua um \'subperonismo\', \'república sindicaleira\', \'autoritarismo popular\' e outros lugares-comuns da elite reacionária", disse Renato Rabelo aos convidados e delegados.

Para Dilma, "patético"
Dilma Rousseff compareceu como ministra-chefe da Casa Civil, mas foi saudada com um forte coro de "Olê-olê-olê-olá, Dilmá, Dilmá" e foi cumprimentada por Lula como "aquela que será a primeira mulher presidente da República".

Não pronunciou o nome de FHC, mas escolheu a dedo um adjetivo, "patético", para o pronunciamento ex-presidencial.

"Como são incapazes de formular um projeto de nação, o que fazem hoje é fabricar um mundo de mistificação, arrogante, em que seus queixumes e resmungos não conseguem ocultar o excesso de vaidade e a falta de rumo", disse Dilma. "Eles não têm moral para falar de nós", agregou.

Lula foi talvez o mais ferino, também sem mencionar pelo nome seu antecessor.

"Eu compreendo o ódio que isso causa. Um intelectual ficar assistindo um operário que só tem o quarto ano primário ganhar tudo o que ele imaginava que iria ganhar e não ganhou por incompetência é muito difícil", disse ele, para o entusiasmo dos congressistas do PCdoB, reunidos no Palácio das Convenções do Anhembi, na zona norte da capital paulista.

O presidente disse que não tinha a "sapiência dos sociólogos", para concluir. "Tem gente que acha que a inteligência está ligada à quantidade de anos de escolaridade que você teve. Não tem nada mais burro que isso. A universidade te dá conhecimento. Inteligência é outra coisa".

Um artigo, várias interpretações
O artigo "Para onde vamos?", de FHC - que escreve mensalmente para o Estadão e O Globo - preencheu o espaço oposicionista em um momento ingrato para as suas hostes. A economia está bombando.

O grande e cobiçado PMDB senta-se com o PT para acertar os palanques estaduais de Dilma - e enviou ao evento comunista, o governador fluminense, Sérgio Cabral.

Não há na mídia nenhum escândalo contra Lula. Pelo contrário, o STF (Supremo Tribunal Federal) vem de cassar o mandato do senador tucano Expedito Júnior (RO), por compra de votos, e está julgando o senador tucano Eduardo Azeredo (PSDB/MG) por protagonizar o "Mensalão Mineiro" de 1998.

Nesta quadra de vacas magras para o oposicionismo, o texto de FCH, irado, rancoroso, bem distante do seu fair play habitual, suscitou diferentes interpretações.

O veterano jornalista Mauro Santayana chegou a conjecturar se Fernando Henrique não estaria preparando uma nova candidatura presidencial de si próprio.

No Congresso do PCdoB, predominou a impressão de um transbordamento do "desespero" de FHC, como disse Renato Rabelo. Com seu patético chamamento final - " é mais do que tempo de dar um basta ao continuísmo, antes que seja tarde" -, o ex-presidente estaria "fugindo para frente" e funcionando como ponta-direita de uma oposição pouco disposta a afoitezas nas atuais circunstâncias.

Outra interpretação, talvez mais benigna para o amor-próprio ex-presidencial, vê no artigo uma intenção friamente calculada. Com o Governo Lula trafegando em céu de brigadeiro e os oposicionsitas constrangidos à defensiva - a começar pelos presidenciáveis tucanos José Serra e Aécio Neves -, FHC teria se adiantado de caso pensado, em um movimento tático. Todos os adjetivos iracundos seriam então uma escolha cerebral e não um rompante da emoção.

Para onde vão eles afinal?
Mas de fato muitos intelectuais morrem pela boca. Ao classificar o \'lulismo\' de\'subperonismo\', o sociólogo-ex-presidente - que no seu discurso de posse prometera "superar o modelo getulista" - não resistiu a um paralelismo que o entrega.

Relido sob esse prisma, o artigo deixa de cumprir um papel tático para perseguir uma ambição estratégica e programática: reposicionar o PSDB alguns passos à direita no leque político brasileiro, e latino-americano. Até ontem, os tucanos, chamado por alguns "nova direita", evitavam o vínculo explícito com a "velha direita".

O artigo de FHC termina oferecendo os elos perdidos e as pontes ocultas entre as gerações direitistas. Quem se der ao trabalho de cotejar o texto do dia 1º com os artigos de Carlos Lacerda, o Corvo, nos anos 50, há de se espantar com os pontos de contato.

Essa interpretação fornece também uma resposta, dupla, ao título-pergunta de HC, Para onde vamos? Para a direita. E para trás.






Mais Informações

2ª via da carteirinha

Solicitação de 2ª via da carteirinha de sindicalizado. É necessário levar 1 foto 3x4 recente na sede do Sindicato.

Formulário de Solicitação clique aqui!

Horário de Atendimento

Segunda a sexta-feira, das 9h às12h e das 14h às 18h.

Informações via email clique aqui!

Atualização de Dados

Para que você possa estar sempre informado e receber nossas notícias é necessário atualizar online os seus dados cadastrais sempre que houver alguma mudança.

Clique aqui para atualizar seus Dados!

Número de Visitantes

Prezado visitantes agradecemos seu acesso em nossa página! Seja bem-vindo(a) sempre que necessário.



Usuários online 898553 Total de Visitas