Newsletters

Email:

Categoria:

Assinar Remover

Notícias
PDF
Imprimir
E-mail

21/09/2012
Pnad: analfabetismo diminui, mas ainda atinge quase 13 milhões de pessoas no Brasil

O Tribunal Superior do Trabalho (TST) divulgou na sexta-feira (14/09) alterações em sua jurisprudência. A decisão foi tomada depois de uma semana de discussões, a partir de sugestões enviadas por mais de 100 entidades, inclusive sindicatos.

Uma das mais importantes mudanças trata das Convenções Coletivas de Trabalho. Pela nova redação dada à Súmula 227, as cláusulas de uma Convenção ou Acordo Coletivo incorporam-se ao contrato individual de trabalho e só poderão ser suprimidas ou modificadas por negociação coletiva.

Há ainda outras questões: pagamento com adicional de hora extra dos horários de intervalos de descanso que não foram respeitados pela empresa; direito de reintegração do trabalhador com doenças graves ou portador do vírus HIV quando a demissão suscitar “estigma ou preconceito”; estabilidade no emprego em caso de gravidez ou acidente de trabalho aos contratados por prazo determinado.
Houve ainda uma mudança especifica para professores. A Súmula 10, que garantia o pagamento das férias escolares a quem fosse demitido no final do ano letivo, agora também assegura que, além das férias (ou recesso), é também devido o aviso prévio.

Manutenção dos direitos coletivos
Como já foi dito, o TST confirmou que os direitos estabelecidos em Convenção Coletiva se incorporam ao contrato de trabalho e só podem ser suprimidos por negociação coletiva.
Os advogados chamam isso de ultratividade. Por duas vezes, esse princípio jurídico esteve expressamente previsto em lei, mas acabou revogado em dois planos econômicos – Collor e Real.
Na primeira vez, esteve presente na Lei 7.788/89 e desapareceu em março de 1990 com a edição da Medida Provisória 154 (convertida na Lei 8.030).
Em dezembro de 1992, a ultratividade voltou a ter previsão legal como um parágrafo da Lei 8.542. Em 1995, esse parágrafo foi suprimido por uma das medidas provisórias complementares ao Plano Real (MP 1.503, convertida na Lei 10.192/2001).

O problema foi agravado pela Emenda Constitucional 45, de 2004, que limitou o acesso dos trabalhadores à Justiça do Trabalho em caso de insucesso nas negociações de data-base. Pelas novas regras, o recurso à Justiça dependia do comum acordo entre os sindicatos de empregados e de empregadores.
Ao invés de estimular a solução de conflitos, a mudança resultou num prolongamento deles. Os patrões endureciam a negociação e recusavam o uso da Justiça para resolver o litígio.
A ultratividade das normas coletivas sempre foi defendida pelos sindicatos de trabalhadores. Agora, a nova redação da Súmula 227 dá mais proteção aos trabalhadores e pode estimular a solução negociada.

Súmulas
No total, foram criadas seis novas súmulas e outras quinze tiveram a redação alterada, assim como nove orientações jurisprudenciais. Súmula é a jurisprudência predominante ou pacificada sobre determinado assunto, que orienta decisões em ações trabalhistas.

Algumas vezes, elas também são usadas nas pautas de reivindicações e acabam virando cláusulas de convenções e acordos. Com base na Súmula 10, por exemplo, as Convenções Coletivas no estado de São Paulo disciplinam a demissão no final do ano, garantindo ao professor demitido a partir de 16 de outubro o correspondente aos salários até janeiro do ano subsequente.


Principais mudanças
na jurisprudência do TST – 14/09/2012

Direitos previstos em Convenção ou Acordos Coletivos

“As cláusulas normativas dos acordos coletivos ou convenções coletivas integram os contratos individuais de trabalho e somente poderão ser modificadas ou suprimidas mediante negociação coletiva de trabalho.”
A redação anterior dizia exatamente o contrário: as cláusulas “vigoram no prazo assinado, não integrando de forma definitiva os contratos individuais”.

Demissão de professor no final do ano

Além dos salários correspondentes às férias escolares, o professor demitido no final do ano tem direito ao aviso prévio.

Intervalo de descanso

O artigo 71 da CLT exige intervalo de 1 hora nas jornadas superiores a 6 horas. Quando a duração é inferior a 6h e maior do que 4h, o intervalo é de 15 minutos.
Empresa que não respeita os intervalos, tem que pagar o período com adicional de hora extra. Se o intervalo foi concedido, mas com duração inferior ao que estabelece a lei, o pagamento deve ser feito sobre todo o período reservado a descanso e alimentação e não apenas ao tempo que foi reduzido.

Estabilidade da gestante e contrato por prazo determinado

A empregada gestante tem direito à estabilidade provisória, mesmo na hipótese de admissão mediante contrato por tempo determinado. A Constituição assegura estabilidade até 60 dias após o término da licença maternidade.

Estabilidade por acidente de trabalho e contrato por prazo determinado

O trabalhador contratado por prazo determinado que sofreu acidente de trabalho com licença superior a 15 dias tem estabilidade no emprego por doze meses a contar da cessação do auxílio-doença.

Demissão de trabalhador com doença grave ou portador de HIV

“Presume-se discriminatória a despedida de empregado portador do vírus HIV ou de outra doença grave que suscite estigma ou preconceito. Inválido o ato o empregado tem direito à reintegração no emprego.”

Manutenção de
plano de saúde durante a licença médica acidentária

Trabalhador que recebe auxílio-doença acidentário também tem direito a plano de saúde ou assistência médica oferecido pela empresa.

Aviso prévio
proporcional

Para o TST, o aviso prévio proporcional ao tempo de serviço criado pela Lei 12.506 só pode ser assegurado a partir da publicação da lei, em 13 de outubro 2011.

Sobreaviso

É devido pagamento quando o empregado permanecer em regime de plantão, a distância e sob controle patronal por meios informatizados ou telemáticos, aguardando chamado para serviço.

Para ler todas as alterações na jurisprudência clique aqui .
Fonte: FEPESP







Mais Informações

2ª via da carteirinha

Solicitação de 2ª via da carteirinha de sindicalizado. É necessário levar 1 foto 3x4 recente na sede do Sindicato.

Formulário de Solicitação clique aqui!

Horário de Atendimento

Segunda a sexta-feira, das 9h às12h e das 14h às 18h.

Informações via email clique aqui!

Atualização de Dados

Para que você possa estar sempre informado e receber nossas notícias é necessário atualizar online os seus dados cadastrais sempre que houver alguma mudança.

Clique aqui para atualizar seus Dados!

Número de Visitantes

Prezado visitantes agradecemos seu acesso em nossa página! Seja bem-vindo(a) sempre que necessário.



Usuários online 1045125 Total de Visitas