Newsletters

Email:

Categoria:

Assinar Remover

Notícias
PDF
Imprimir
E-mail

10/05/2012
Câmara decepciona e adia votação da PEC do Trabalho Escravo

A Câmara dos Deputados adiou mais uma vez a decisão da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) do Trabalho Escravo que deveria ocorrer na noite desta quarta-feira (9).
A votação já havia sido adiada na véspera, a pedido dos líderes partidários, após questionamentos levantados por deputados vinculados a latifundiários - políticos direitistas que barram qualquer avanço social no Brasil que atinja seus privilégios de classe. São os mesmos que promoveram o retrocesso no texto do Código Florestal e criaram situação de constrangimento para a presidente da República.

Prevaleceu a sugestão do líder do PMDB, deputado Henrique Eduardo Alves (RN), de transferir a votação para o próximo dia 22. De acordo com o presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), está-se buscando um entendimento para aprovação da matéria por unanimidade. “Há uma discussão sobre o que é trabalho escravo. O que caracteriza trabalho escravo e o não cumprimento da legislação trabalhista precisa ficar mais claro”.

Na verdade o que ficou claro foi uma manobra protelatória e a tentativa de fazer da PEC que proíbe o trabalho escravo e pune energicamente os que o praticam um texto inócuo, remetendo a definição do crime e das penas para uma Lei Complementar. Esta era a tática do antigo “Centrão”, agrupamento reacionário da época da Assembleia Constituinte (1987-1988). Toda vez que se viam diante da inevitável aprovação de um dispositivo progressista deixavam para depois sua regulamentação através de Lei Complementar.

Durante o dia, o presidente da Câmara, Marco Maia, tentou articular a aprovação da PEC. O presidente da Câmara e a presidente em exercício do Senado, Marta Suplicy (PT-SP), se reuniram para fechar um acordo para votar a matéria. Os líderes concordam com algumas das críticas feitas pelos ruralistas de que há pontos não esclarecidos no texto. Por isso, uma lei que regulamenta a PEC será apresentada ao Congresso. A nova lei deve regulamentar, por exemplo, como se dará à expropriação de terras rurais e urbanas nos casos de flagrante de trabalho escravo.

Moreira Mendes (PSD-RO), presidente da “Frente Parlamentar da Agropecuária”, uma articulação transversal de inimigos da reforma agrária e de avanços no campo, com membros em vários partidos de direita e centro-direita muitos dos quais se dizem integrantes da base do governo, tentou escamotear seus objetivos afirmando que não é correto dizer que se opõem à PEC. “Somos literalmente contra o trabalho escravo. Queremos tranquilidade e segurança jurídica para aprovar. Não temos nenhum problema com o texto da PEC, mas com a lei infraconstitucional sobre o tema”.

“Esta é mais uma tentativa de protelar a votação. Essa matéria já foi amplamente discutida na Câmara e no Senado. Já houve votação em primeiro turno, que foi fruto de negociação que envolveu o governo e amplos setores da sociedade”, protestou o deputado federal Daniel Almeida (PCdoB-BA). Para ele, que participou da Comissão Especial da PEC do Trabalho Escravo da Câmara, a argumentação dos que se opõem à aprovação do texto é improcedente.

“A OIT (Organização Internacional do Trabalho) e demais organismos internacionais, e aqui no Brasil, o Ministério do Trabalho, já têm as normativas que caracterizam esse tipo de trabalho e fazem fiscalização baseada nessas normas”, explicou . Com isso, ele rejeita a alegação de que é preciso ser mais preciso na conceituação do trabalho escravo.

“A PEC apenas dá oportunidade de confiscar terras onde foi descoberto trabalho análogo à escravidão”, explica Daniel Almeida. Para ele, a votação da PEC, que aguarda há oito anos para ser analisada em segundo turno, já foi adiada demais. “Já protelamos demais. Estamos atentos para evitar isso”, garantiu o parlamentar comunista.

Para o deputado Chico Alencar (PSOL-RJ), o adiamento da votação da PEC é uma decepção. “Eram 418 deputados, todos a favor e não se vota a PEC. Vai se consolidar o quê? Todo senso comum sabe o que é trabalho escravo”.

A PEC ainda não foi votada em segundo turno depois de dez anos tramitando no Congresso, devido a manobras protelatórias de vários tipos. A votação em primeiro turno ocorreu em agosto de 2004. A pressão social em favor da aprovação do texto é grande e conta com a participação de organizações não governamentais ligadas à defesa dos direitos humanos, centrais sindicais e do próprio governo, que estão se mobilizando desde o ano passado para garantir a aprovação da proposta.

Mas tudo isso esbarra na casa legislativa, que ao invés de – nesta matéria – representar os interesses do povo, como é seu dever, capitula à pressão dos setores mais retrógrados da sociedade brasileira.

Da Redação do Vermelho, com informações das agências







Mais Informações

2ª via da carteirinha

Solicitação de 2ª via da carteirinha de sindicalizado. É necessário levar 1 foto 3x4 recente na sede do Sindicato.

Formulário de Solicitação clique aqui!

Horário de Atendimento

Segunda a sexta-feira, das 9h às12h e das 14h às 18h.

Informações via email clique aqui!

Atualização de Dados

Para que você possa estar sempre informado e receber nossas notícias é necessário atualizar online os seus dados cadastrais sempre que houver alguma mudança.

Clique aqui para atualizar seus Dados!

Número de Visitantes

Prezado visitantes agradecemos seu acesso em nossa página! Seja bem-vindo(a) sempre que necessário.



Usuários online 1045137 Total de Visitas