Newsletters

Email:

Categoria:

Assinar Remover

Notícias
PDF
Imprimir
E-mail

19/04/2012
Centrais criticam corte reduzido da Selic, de 9,75% para 9 pontos

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central reduziu, nesta quarta-feira (18), pela sexta vez consecutiva a taxa de juros básicos, a Selic (Sistema Especial de Liquidação e Custódia), em 0,75 ponto percentual. O mercado projeta, após o clico de redução, uma taxa Selic de 8,5%. A menor que esse movimento descendente poderá chegar, conforme entendimento de economistas.

Este ciclo começou no final de agosto de 2011, quando a Selic estava em 12,5% e o Copom cortou 0,5 pp, dando início ao processo de afrouxamento da política monetária. A decisão dividiu a diretoria do BC à época e surpreendeu a maioria dos analistas financeiros, que apostavam na manutenção dos juros de então, depois de cinco altas, a partir de janeiro de 2011, quando a Selic estava em 10,75%.

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) divulgou em sua página na internet que o Copom "acertou mais uma vez ao reduzir a Selic em 0,75 ponto percentual." A entidade patronal entende que agora o próximo passo "é atuar na redução dos spreads bancários."

Spread bancário, em termos simplificados, é a diferença entre a remuneração que o banco paga ao aplicador para captar um recurso e o quanto esse banco cobra para emprestar o mesmo dinheiro.

Centrais
Já as centrais sindicais - Força Sindical, CTB e UGT - emitiram nota, cada uma, em que criticam "a tímida redução" da taxa Selic.
"Extremamente tímida", assim a Força Sindical avaliou a decisão do Copom. "Entendemos que, com esta queda conta-gotas, o Banco Central perdeu uma ótima oportunidade para fazer uma drástica redução na taxa básica de juros, que poderia funcionar como um estímulo para a criação de novos empregos e para o aumento da produção no País", acrescentou.

A CTB (Central dos Trabalhadores e das Trabalhadoras do Brasil) entendeu que a queda foi "positiva, porém insuficiente". E agregou que a entidade "continuará lutando para que os juros recuem aos níveis praticados por países com grau de desenvolvimento comparável, onde em geral a taxa real (descontada a inflação) oscila em torno de 1%."

A nota da UGT (União Geral dos Trabalhadores), com dois parágrafos, foi lacônica. A central classificou que a decisão foi tímida. "A queda de apenas 0,75% faz com que os bancos também sejam tímidos ao reduzirem as taxas cobradas a produção e ao consumo", critica.

O Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo, por meio de nota, classificou como "frustrante" a decisão do Copom. "Mais uma vez, o Copom acena que o Brasil vai continuar remando contra a correnteza forte do capital especulativo e adiando a oportunidade de investir na produção e na qualificação de sua mão de obra". 
A CUT, a NCST e a CGTB, até o fechamento desta, não haviam se posicionado publicamente sobre a decisão do Copom.







Mais Informações

2ª via da carteirinha

Solicitação de 2ª via da carteirinha de sindicalizado. É necessário levar 1 foto 3x4 recente na sede do Sindicato.

Formulário de Solicitação clique aqui!

Horário de Atendimento

Segunda a sexta-feira, das 9h às12h e das 14h às 18h.

Informações via email clique aqui!

Atualização de Dados

Para que você possa estar sempre informado e receber nossas notícias é necessário atualizar online os seus dados cadastrais sempre que houver alguma mudança.

Clique aqui para atualizar seus Dados!

Número de Visitantes

Prezado visitantes agradecemos seu acesso em nossa página! Seja bem-vindo(a) sempre que necessário.



Usuários online 1044054 Total de Visitas