Newsletters

Email:

Categoria:

Assinar Remover

Notícias
PDF
Imprimir
E-mail

28/03/2012
Dilema marca debate no Senado em torno dos rendimentos do FGTS

Melhorar a remuneração das contas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) sem reduzir sua capacidade de investimento em habitação, saneamento e infraestrutura. Esse é o dilema dos que estão envolvidos no debate sobre as mudanças na distribuição dos resultados financeiros do fundo. Na última quinta-feira (22), o embaraço gerado por alternativas, em princípio, excludentes ficou claro durante a primeira audiência pública da Subcomissão Temporária do FGTS.

Representante da Central Única dos Trabalhadores (CUT) no conselho curador do FGTS nos últimos quatro anos, Jacy Afonso de Melo foi o único debatedor a defender, sem reservas, projeto de lei do Senado (PLS 301/08) que estabelece a distribuição da rentabilidade das aplicações do fundo entre as contas individuais dos trabalhadores.

- Somos a favor de que parcela dos resultados do FGTS seja distribuída com os trabalhadores, que são os cotistas do fundo. Nos últimos três anos, os trabalhadores [por meio do FGTS] entraram com R$ 18,2 bilhões e o governo, com R$ 4,8 bilhões, em recursos para o programa Minha Casa, Minha Vida. É papel do Estado oferecer subsídios para corrigir distorções sociais, mas achamos que as contas precisam ser melhor remuneradas - declarou o sindicalista.

Sem riscos
Apesar de não ver risco de desequilíbrio econômico-financeiro ao fundo, o representante do Ministério do Trabalho e Emprego, Paulo Eduardo Cabral Furtado, acredita que essa proposta poderia prejudicar as obras sociais por ele financiadas. Segundo observou, a política habitacional para a população de baixa renda só teve êxito com a alocação de subsídios, que chegaram a R$ 5,5 bilhões em 2011.

- Atualmente, o FGTS é fundamental para o sucesso do programa Minha Casa, Minha Vida. A remuneração do fundo com um indicador diferente [o atual é a TR mais 3% de juros] vai impactar nos contratos habitacionais. Também deve haver um acerto entre o conselho curador, o governo federal e o Senado para que se busque o momento ótimo para vigência do projeto [PLS 301/08], que reputo adequado, mas que precisa ser negociado para não interromper uma política que vem dando certo - disse Paulo Furtado.

Posição semelhante foi externada pelo representante do Conselho Nacional da Indústria (CNI), Flávio José Cavalcanti de Azevedo.

- A classe empresarial apoiará o que for melhor para o trabalhador, ressaltando que o FGTS é fator de equilíbrio social. O investimento em infraestrutura é essencial para que o Brasil se mantenha com a economia diferenciada em relação ao mundo. Fica a dúvida, portanto, sobre o que será efetivamente melhor para o trabalhador: usar parte do lucro para aumentar os saldos nas contas individuais ou manter tudo como está e usar os recursos para retroalimentar o sistema econômico - ponderou.

Piquenique
Relatora da subcomissão, a senadora Marta Suplicy (PT-SP) concordou com o representante da CNI quanto à importância de aplicação do FGTS em obras de infraestrutura, considerando relevante ainda a necessidade de subsídio público para o trabalhador de baixa renda comprar a casa própria.

Já o presidente da subcomissão, senador Cyro Miranda (PSDB-GO), se queixou de que, toda vez em que se fala de correção das contas do FGTS, surge a alegação de que isso vai encarecer o financiamento habitacional.

- Entendo é que o governo está fazendo piquenique na sombra do trabalhador - criticou.

Assim como o representante do governo, o senador Wellington Dias (PT-PI) discorda da eventual ampliação das possibilidades de saque nas contas do FGTS.

- Quando se pulveriza demais, acaba não se atingindo objetivo algum - comentou.

Por fim, o senador Casildo Maldaner (PMDB-SC) cobrou uma atuação mais firme do Ministério do Trabalho no combate à informalidade no setor de construção civil - o maior beneficiário das verbas do FGTS via Minha Casa, Minha Vida -, denunciada pelo representante da CUT. Já a senadora Ana Amélia (PP-RS) acredita ser mais justo o governo arcar com o subsídio à habitação de baixa renda, e não retirá-lo do fundo.

Novo debate sobre a distribuição dos resultados financeiros do FGTS será realizado na próxima quinta-feira (29), a partir das 14h30, com a participação do presidente da Caixa Econômica Federal, Jorge Hereda; do presidente da Força Sindical, Paulo Ferreira da Silva; e do presidente da CNC (Confederação Nacional do Comércio), Antônio José Domingues de Oliveira Santos. (Fonte: Agência Senado)







Mais Informações

2ª via da carteirinha

Solicitação de 2ª via da carteirinha de sindicalizado. É necessário levar 1 foto 3x4 recente na sede do Sindicato.

Formulário de Solicitação clique aqui!

Horário de Atendimento

Segunda a sexta-feira, das 9h às12h e das 14h às 18h.

Informações via email clique aqui!

Atualização de Dados

Para que você possa estar sempre informado e receber nossas notícias é necessário atualizar online os seus dados cadastrais sempre que houver alguma mudança.

Clique aqui para atualizar seus Dados!

Número de Visitantes

Prezado visitantes agradecemos seu acesso em nossa página! Seja bem-vindo(a) sempre que necessário.



Usuários online 1045110 Total de Visitas